Nota de esclarecimento: obrigações de motoristas e cobradores

Por janeiro 24, 2019Acontece, Capa
Tome nota: essas palestras fazem parte de um projeto de combate à evasão de receitas, que nesse primeiro momento está sendo aplicado junto ao público interno.

Atendendo aos questionamentos levantados pelo Sindirodoviários e por passageiros sobre as condutas de combate à evasão de receita que estão sendo adotadas pelas empresas que operam o Sistema Transcol, vimos por desta nota esclarecer o seguinte:

As empresas do sistema estão realizando reuniões nas garagens com o objetivo de cumprir o cronograma de treinamento e reciclagem dos operadores, elaborado em conjunto com o Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória – GVBus.

Essas palestras fazem parte de um projeto de combate à evasão de receitas, que nesse primeiro momento está sendo aplicado junto ao público interno. A segunda etapa será uma campanha publicitária para os passageiros, prevista para ser veiculada já na próxima semana.

Evasão

Após um levantamento, o GVBus identificou algumas hipóteses de práticas que oneram o sistema: a) pulo de roleta; b) fraudes às gratuidades; c) utilização de cartão de passagens por terceiros; d) gestantes que não efetuam o pagamento da passagem e/ou efetuam o pagamento, mas o cobrador não gira a roleta; e) ambulantes que embarcam sem pagar passagem; f) embarque irregular pela porta do meio; g) “caronas”, entre outros.

Tais práticas representam um prejuízo de cerca de R$ 960 mil por mês, sendo R$ 375 mil somente decorrente do pulo de roleta. Só em 2018, foram aplicadas 6.798 penalidades por uso indevido de gratuidades.

Esses números expressivos apontaram a necessidade de reforçar junto aos funcionários de todas as operadoras o que é a evasão de receitas, os prejuízos que ela causa para todos e sobre as atividades exercidas pelos motoristas e cobradores, inclusive no que diz respeito ao controle de pagamento pelo serviço de transporte prestado.

Momento de explicar a todos a importância de seguir as regras e de orientar os passageiros sobre a obrigatoriedade de pagar a tarifa. Além disso, os encontros auxiliam cobradores e motoristas a identificarem quando a evasão ocorre e como devem proceder.

Durante as reuniões, são abordados temas como profissionalismo, o bom atendimento e tratamento com os clientes, os impactos da evasão de receita do transporte coletivo para toda a sociedade e sobre as formas de combater essas práticas, além de relembrar as instruções que os profissionais receberam ao assinar o contrato de trabalho.

Ressaltamos que as empresas já fazem um trabalho de combate à evasão. Todos os coletivos contam com o sistema de biometria facial, voltado ao controle do uso das gratuidades, e desde 2016 catracas altas estão sendo instaladas para aumentar a sensação de segurança dentro dos ônibus e inibir o pulo de roleta. Porém, cobrar do passageiro o pagamento da passagem é uma obrigação dos motoristas e dos cobradores.

Direitos e deveres

É evidente que tanto empregador quanto empregado possuem direitos e deveres quando o assunto é a segurança no trabalho. Dessa forma, todos devem ter conhecimento dos fatos e da legislação sobre o que está sendo discutido, bem como realizar suas tarefas respeitando essas determinações. A intenção, inclusive, é o envolvimento do pessoal do operacional, a parceria com os colaboradores, assim como a conscientização da população em geral.

Convém destacar que o treinamento, em momento algum, orienta que os motoristas e cobradores coloquem sua vida em risco para coibir as situações evasão, pelo contrário. A segurança sempre será buscada dentro dos coletivos.

Da mesma forma, nada impede que os motoristas e cobradores fiscalizem a cobrança pelo serviço de transporte que é prestado aos passageiros, orientando-os como devem prosseguir quanto ao correto pagamento das passagens, coibindo, desta forma, a evasão de receitas.

O Sistema Transcol gera cerca de 10 mil empregos diretos e indiretos. Entendemos que o transporte público coletivo é a solução para a mobilidade urbana na Região Metropolitana de Vitória e, por isso, precisa ser valorizado. Uma das formas de alcançar isso é garantir o direito de ir e vir das pessoas, e o pagamento da tarifa, que sustenta o sistema.

Caso ainda haja alguma dúvida sobre as atividades e obrigações de motoristas e cobradores, deixamos abaixo os links da CBO (Classificação Brasileira de Ocupação) de cada função para esclarecimento:

Motorista

Cobrador

Comunicação GVBus

Autor Comunicação GVBus

Mais posts de Comunicação GVBus

Deixe um comentário