Estudo: ônibus não está associado ao aumento da Covid-19

Foi averiguado em cidades das regiões rurais dos Estados Unidos, onde a presença do transporte coletivo é baixa ou inexistente, que o número de infectados é alto. Não estabelecendo, portanto, relação direta entre os dois

Foi averiguado em cidades das regiões rurais dos Estados Unidos, onde a presença do transporte coletivo é baixa ou inexistente, que o número de infectados é alto. Não estabelecendo, portanto, relação direta entre os dois

Um estudo americano demonstrou que o ônibus não está associado ao aumento do número de contaminados pelo novo coronavírus. A pesquisa foi realizada durante três meses pela American Public Transportation Association (APTA).

Durante a análise – que contou com a participação de especialistas em saúde pública – foi constatado que os casos de Covid-19 também são crescentes nas regiões rurais, onde a presença do transporte coletivo é baixa ou inexistente. Portanto, não houve relação direta entre as variáveis nas cidades dos Estados Unidos.

A pesquisa americana traz informações que só confirmam outras pesquisas já realizadas em outros países e também em terras brasileiras, como a realizada pela cidade de São Paulo, que mostrou que a chance de contaminação em casas com mais de cinco habitantes é maior que no ônibus.

Leia Mais: Coronavírus – contaminação em residências é maior do que em ônibus, diz pesquisa

Outro levantamento que chegou a resultados semelhantes foi um estudo feito pela Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos (NTU), divulgado em setembro, e que dizem respeito ao cenário brasileiro.

A conclusão dos técnicos da entidade é de que os casos de Covid-19 não têm relação com o ônibus, já que em muitas cidades houve redução do número de infectados enquanto a oferta do serviço estava crescendo.

Leia Mais: Aumento de casos da Covid-19 não tem relação com ônibus, diz estudo

Pesquisa APTA

Na cidade de São Francisco, na Califórnia; Salt Lake City, Utah, Columbus, Ohio e Austin, no Texas, a oferta esteve de acordo com a demanda, mas os casos de COVID-19 dispararam.

Em Hartford, no distrito de Connecticut, a quantidade de viagens manteve-se constante, enquanto a de infectados reduziu. Já em Nova York, mais de 150 milhões de trajetos ocorreram nos metrôs e nos ônibus da cidade – entre 1º de junho e 18 de agosto – mas os testes com resultados positivo para a doença reduziram em 70%.

Dentre os resultados obtidos, foi descoberto ainda que o risco de contágio é menor nos locais em que as medidas de segurança estão sendo cumpridas. Tais como: o uso de máscaras, higienização das mãos, sistema de ventilação em funcionamento, conversas limitadas entre as pessoas, entre outras.

O tempo de exposição à Covid-19 é outro fator que influencia no contágio. As viagens intra-urbanas são, em sua maioria, de curta duração – salvo em casos de congestionamento no trânsito.

Sistema Transcol

O GVBus também fez um levantamento e concluiu que as medidas de proteção estão funcionado no Sistema Transcol. O estudo usou dados da operação e informações da Secretaria de Estado da Saúde (extraídas no dia 11 de agosto).

Leia Mais: Repercussões do vírus no transporte coletivo

Na semana de 24 a 30 de maio, o Transcol transportou 1,4 milhões de passageiros, enquanto a Grande Vitória registrou 4.117 novos casos. Já na semana de 26 de junho a 01 de agosto, a demanda transportada foi maior: 1,7 milhões de pessoas, a Grande Vitória confirmou somente 1.429 infectados. Ou seja, o número de novos casos não acompanhou o aumento do número de passageiros transportados.

Dentre os vários protocolos adotados pelas empresas para garantir a segurança dos passageiros estão: pagamento exclusivo com o CartãoGV; higienização dos ônibus com produtos sanitizantes nas garagens e nos terminais; implantação de sinalização e cartazes educativos com os cuidados de proteção individual dentro dos coletivos, entre outros.

Confira o estudo completo da APTA.

 

Comunicação GVBus

Autor Comunicação GVBus

Mais posts de Comunicação GVBus

Deixe um comentário